20/12/2010

Vencedores do Concurso de Poemas de Natal  


                            1º Prémio - Joana Esteves,   9ºA
                            2º Prémio - Jéssica Daniela O. Santos,  9º C
                            3º Prémio - Beatriz  Roque, 9º A

 Parabéns!

05/12/2010

Concurso de Poemas /Frases de Natal

REGULAMENTO
1.      Tema: Concurso de poemas/frases alusivos ao Natal.
2.      O concurso destina-se a todos os alunos da Escola Secundária de S. Pedro do Sul.
- Escalão A – Alunos do Ensino Básico.
- Escalão B – Alunos do Ensino Secundário.
3.      Os trabalhos devem ser apresentados em língua portuguesa e podem ser ilustrados com um desenho original.
4.      Os trabalhos não devem ultrapassar uma folha A4, em letra Times New Roman, tamanho 12, espaço 1,5.
5.      Os trabalhos devem ser entregues na Biblioteca devidamente identificados, até ao dia 13 de Dezembro de 2010. 
6.      Haverá 3 classificados em cada escalão. Será atribuído um prémio simbólico a cada um.
7.      Os prémios serão atribuídos de acordo com a originalidade, adequação ao tema e qualidade literária.
8.      Os exemplares dos trabalhos apresentados não serão devolvidos aos concorrentes.
9.      Os trabalhos vencedores serão publicados no Blog da Biblioteca, no Jornal da Escola e poderão ser expostos, salvaguardando a identidade do concorrente, caso este o manifeste expressamente.
10.  No final do ano será construído um E-book com todos os trabalhos.
11.  O Júri será constituído pela Equipa da Biblioteca Escolar.

03/11/2010

Bibliopaper - classificações


 Francisca Regalo, Luís Almeida, João Martins, Leonor Cardoso
 
Gonçalo Ferreira, Michel Bizarro, Francisco Rebelo


28/10/2010

Há histórias na Biblioteca

No dia 25 na Biblioteca ouviram-se histórias  de encantar.

14/10/2010

25 de Outubro

A Rede de Bibliotecas Escolares declarou o dia 25 de Outubro, como o Dia da Biblioteca Escolar, este ano dedicado ao tema: 
 Diversidade Desafio Mudança, tudo isto na Biblioteca Escolar

Vem conhecer e percorrer o caminho da Biblioteca da tua Escola!
Haverá actividades para comemorar esta data.
Está atento!

Há um ano foi assim:                   
Uma hora de histórias   


Concurso Bibliopaper

08/10/2010

Mario Vargas Llosa é o Prémio Nobel da Literatura de 2010




O escritor peruano Mario Vargas Llosa é o Prémio Nobel da Literatura de 2010, foi anunciado hoje em Estocolmo pela Academia Sueca.
(07.10.2010 - 12:01 PÚBLICO)
ler mais 




Mario Vargas Llosa (Reuters)

06/10/2010

O Centenário da República


No âmbito da disciplina de História e com o apoio da Biblioteca Escolar, as turmas do 9º ano realizaram trabalhos subordinados ao tema: A REPÚBLICA.

 As causas da queda da Monarquia - 9º B

 O Ultimato - 9º C

O Regicídio de 1908 - 9º B

Tentativas de derrube da Monarquia  - 9º A

A Queda da Monarquia  - 9º C

A Implantação da República - 9º C

A Primeira República e os seus problemas - 9º A

Portugal e a Primeira Guerra Mundial - 9º C

01/10/2010

Longe...


Longe…
Longe… Longe vão os sonhos…
Longe os recados na mesinha de cabeceira…
Longe estão as brincadeiras até de madrugada…
Longe ficaram as promessas egoístas…
Pedi um pequeno espaço no mundo,
Pedi força para subir pelas paredes,
Chegar ao topo e gritar, até me sangrar a voz…
Não quis rosas vermelhas,
Nem espinhos que me matassem,
Somente aguardei nas escadas
O suicídio do pequeno mundo
Que vedava os corpos choramingas...
Desejei ser anjo negro,
VOAR de noite e pela noite morrer…
Esconder-me nos perigos, e nos perigos sobreviver…
Quis desmaiar enquanto o sol passava,
Quis regressar com o silêncio…
Mas querer não bastou,
Não consegui ser maior…
Acabei por rasgar as folhas das ilusões,
Queimei as frases feitas de imagens vitoriosas,
Limitei-me apenas a um sinal feroz de mim
E esperei que o sentimento me libertasse,
Até eu libertar o que sentia.
18 de Março de 2010

                                                Catarina Nascimento Ribeiro, 10ºF

26/09/2010

Dia Europeu da Línguas - 26 de Setembro



Em 2001 – Ano Europeu das Línguas, foi instituído o Dia Europeu das Línguas, a celebrar no dia 26 de Setembro, para assinalar a importância da diversidade linguística e da aprendizagem de línguas.

           
O Clube Europeu da Escola Secundária de S. Pedro do Sul, com a colaboração do Departamento de Línguas e da Equipa da Biblioteca Escolar, comemorará esta data com  a realização de um Peddy Paper destinado aos alunos do 7º ano. 
 

21/09/2010

Leonor Xavier vence Prémio Máxima de Literatura 2010


O Prémio Máxima de Literatura foi hoje atribuído a Leonor Xavier pelo livro de memórias “Casas Contadas” (editado pela Asa em 2009), que passa pelas 13 casas onde a jornalista viveu. O júri, constituído por António Carvalho, Maria Helena Mira Mateus, valter hugo mãe e a directora da revista, Laura Luzes Torres, tomou a decisão por unanimidade.

Publico, 20.09.2010 - Isabel Coutinho

16/09/2010

Frases sobre livros e leitura (Dia Mundial do Livro)



Um livro….
Rasga o silêncio,

Acorda a imaginação!

São histórias,

Laços de palavras,

Memórias de um tempo profundo!

É um abraço a dois,

Que envolve o Mundo!

          Professora Manuela Martins



Um livro é um trago de magia que nos permite viver outras vidas, aprender para a nossa e, sobretudo, é o único antídoto contra o veneno da solidão.

Isabel Prates - professora


31/08/2010

biblioteca mágica

Ler por prazer, ler por ler, o importante é ler e reler.

17/07/2010

Criatividade?

«Sir Ken Robinson fala de criatividade, de como devia ser estimulada nos sistemas de ensino existentes actualmente». O tema é interessante e pertinente.


«Creativity in education  is as important as literacy»

19/06/2010

JOSÉ SARAMAGO

 JUNTA-SE A TODOS AQUELES QUE SE LIBERTARAM DA LEI DA MORTE.
(1922 -2010)


«Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara». 
                                                    Ensaio sobre a cegueira                               
                   
«Sempre chagamos ao sítio onde nos esperam»
                                                   A Viagem do elefante

« Todo futuro es fabuloso» Alejo Carpentier
                                                 A Jangada de pedra


                                      

14/06/2010

Catálogo em linha


Para consultar o  catálogo da Biblioteca da Escola Secundária de S. Pedro do Sul, clique aqui.


08/06/2010

ADOLESCÊNCIA

É uma revolução,
Salve-se quem puder.
Não sei o que fazer …
É viver ou morrer!

O espelho estragou-se,
Parece tudo diferente.
Quem me dera poder ser
Aquela criança dependente!

O armário está vazio
O coração assombrado
O amor não corresponde
Sou um ser acabado!

O que posso eu fazer
Se é o fim do mundo?
Sou só, sou assim…
Estás a ler o que há em mim?
Nada!...
Isabel Queimadela – 7º A

03/06/2010

Livro do mês de Junho

O último Bandeirante foi apresentado pelo autor, Pedro Pinto, na Ilha das Letras - Lenteiro do Rio a alunos da Escola Secundária de S. Pedro do Sul.


O último Bandeirante é um romance histórico que fará História também para o autor, Pedro Pinto, jornalista da TVI, por se tratar da sua estreia nesta área. Editado pela Esfera dos Livros em 2009, compendia nas suas 296 páginas a saga de António Raposo Tavares, natural de Beja, herói alentejano pouco conhecido dos Portugueses que em 1618, com 20 anos, vai para o Brasil na companhia do pai, Fernão Vieira Tavares, governador da capitania de S. Vicente.
Raposo Tavares, aventureiro em terras de Vera Cruz, ainda bastante obscuras e repletas de mitos, embora deslumbrantes, desempenhou um papel crucial para que a Amazónia e boa parte do território brasileiro ficassem a pertencer a Portugal e não à vizinha Espanha. Para tal, teve de combater, para além das muitas dificuldades proporcionadas pela Natureza, os jesuítas e, a dada altura, os invasores holandeses no Nordeste. Tudo isto num clima de complexos emaranhados de interesses sociais e económicos, que opunham ainda mais jesuítas espanhóis e bandeirantes portugueses, não obstante a submissão a um rei comum (decorria a era dos Filipes).
A aventura, a extraordinária beleza exótica das paisagens, as relações entre brancos e índios, a paixão, a traição e a cobiça constituem alguns dos elementos que compõem O Último Bandeirante. As vivências de um dos maiores exploradores do Brasil englobam a preparação da conjuntura para aquilo que viria a ser o Tratado de Tordesilhas, com uma compreensão mais profunda da importância dos bandeirantes na determinação do território do Brasil.

 Pedro Pinto
Pedro Pinto nasceu em Lisboa, no dia 20 de Março de 1971. É o mais novo de três irmãos. Formou-se na Universidade Autónoma em Relações Internacionais, na área económica. Em seguida tirou o curso de Jornalismo no Cenjor, ao mesmo tempo que fazia um mestrado.
Foi nessa altura que estagiou três meses na TVI. Posto isto, deixou o jornalismo e passou a dar aulas na Universidade Autónoma (onde ainda hoje se mantém), enquanto trabalhava também numa agência de publicidade, até que recebeu o convite para trabalhar na RTP.
Um ano e meio depois de estar ligado ao Desporto, Pedro Pinto teve a oportunidade de ir para a RTP 2, a convite de Henrique Garcia, onde apresentava de cinco em cinco semanas o noticiário. Certo dia, José Eduardo Moniz, director-geral da TVI, achou que Pedro Pinto tinha valor para a estação e desafiou-o, no ano 2000, para ser pivô do Jornal Nacional, o momento mais alto da sua carreira. Além desta função, é ainda editor daquele bloco informativo.
Disponível em: http://www.tintafresca.net/News/newsdetail.aspx?news=482a6c7f-cb27-464e-9a4a-78141fde3d3c

29/05/2010

Banco alimentar

«Mais de 28 mil voluntários vão estar, por todo o país, nos supermercados a convidar os portugueses a associarem-se a esta iniciativa, fazendo os seus donativos através de bens alimentares.»

22/05/2010

22 de Maio- Dia Internacional da Biodiversidade



Alterações Climáticas e Perda de Biodiversidade: Portugal Será um dos Países da Europa mais Afectados.

A Terra está a perder biodiversidade a uma taxa sem precedentes. No Dia Internacional da Biodiversidade, 22 de Maio, as alterações climáticas voltam a constituir a preocupação central assumindo-se como uma das maiores ameaças à diversidade de vida no Planeta, juntamente com a destruição de habitats, poluição e proliferação de espécies invasoras. ...





14/05/2010

LIVRO DO MÊS DE MAIO

A máquina de fazer espanhóis


Mãe, Valter Hugo (2010),
A máquina de fazer espanhóis
,
Edição Alfaguara








Resumo:

António Silva, um senhor de oitenta e quatro anos, vê a sua vida mudar drasticamente quando a sua mulher Laura morre. Morre o seu grande amor e é abandonado num lar pelos seus filhos. Revoltado e com medo do pouco tempo que lhe resta, num primeiro impulso, resigna-se e fecha-se ao Mundo. Após um tempo de reflexão, começa a habituar-se à sua nova vida e conhece outros que, tal como ele, foram ali abandonados. No momento mais árido da sua vida, ainda se surpreende com a manifestação de alguma alegria. E é aqui que percebe que nem tudo é mau. Conhece o famoso João Esteves, um senhor que serviu de inspiração a poemas de Fernando Pessoa, um ídolo seu. E este é o ponto de partida para uma história magnífica e arrepiante, que nos fala da terceira idade e da iminência da morte, que nos diz que a opinião dos velhos ainda tem de contar.

Opinião:

É uma obra absolutamente fascinante, que nos prende do início ao fim. É um ponto de vista pouco comum, em que a personagem principal, António Silva, um senhor de oitenta e quatro anos, nos dá a conhecer o outro lado da nossa sociedade, o lado em que a alegria é escassa e o tempo contado, em que é preciso aprender a lidar com a revolta da perda e, acima de tudo, é preciso encontrar motivos para sobreviver.

Com uma escrita sincera e clara, com uma liberdade formal que o autor justifica pelo facto de gostar «da limpeza das minúsculas», Valter Hugo Mãe mostra-nos como vive a terceira idade, abandonada e esquecida por todos. Este livro é uma tentativa de perceber que drama é esse de, a dada altura da vida, estarmos a viver contra o corpo.




valter hugo mãe

Perfil biográfico
valter hugo mãe nasceu em Saurimo, Angola a 25 de Setembro de 1971. Passou grande parte da sua infância em Paços de Ferreira, porém em 1980 mudou-se para Vila do Conde. Licenciou-se em Direito e fez uma pós-graduação em Literatura Portuguesa Contemporânea e Moderna.

Em 1999 fundou com Jorge Reis Sá a “Quasi edições” na qual publicou obras de Mário Soares, Caetano Veloso, Adriana Calcanhotto, António Ramos Rosa, Artur do Cruzeiro Seixas, Ferreira Gullar, Adolfo Luxúria Canibal e muitos outros. Em 2001, ainda na Quasi, co-dirige a revista “Apeadeiro” e em 2006 funda a editora Objecto Cardíaco. Em 2007 atingiu o reconhecimento público com a atribuição do Prémio Literário José Saramago, durante a entrega do qual o próprio José Saramago considerou o romance o “remorso de baltazar serapião” um verdadeiro "tsunami literário". Entretanto começa a escrever letras para canções e em 2008 funda, com Miguel Pedro e António Rafael, do grupo Mão Morta, a banda Governo, onde assume a função de vocalista.

Alexandra Pereira, nº1, 10º E

Texto produzido no âmbito da disciplina de Literatura Portuguesa, Professora Lurdes Lopes

27/04/2010

Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor

Toda a actividade de escrita é precedida pela leitura.
O Dia Mundial do Livro foi comemorado a ler e a escrever.

Todos os alunos leram ou ouviram ler durante 30 minutos, entre as 9:30H e as 10H. A Equipa da Biblioteca seleccionou livros e textos para os diferentes níveis de escolaridade. Porém verificámos, com muito agrado, que a maioria dos Professores fez a sua escolha pessoal e partilhou, ou proporcionou a partilha desses textos aos alunos.


Neste Dia Mundial do Livro foi dado início ao projecto “Ha´u hakarak aprende” (Eu quero aprender) que tem por objectivo a recolha de livros para bibliotecas escolares em Timor Leste.
No polivalente, TIMOR foi escrito com livros portugueses.
Os livros ainda poderão ser entregues até 31 de Maio na Biblioteca.

Paralelamente, os alunos tiveram, e ainda têm, a possibilidade de dar largas à imaginação e “construir um poema” (poemas) na Biblioteca, subordinado ao tema: O LIVRO.
Esta actividade permanece até ao final de Maio, data em que serão expostos os poemas.

26/04/2010

Artigo do mês

 
Bons professores e regras morais contra a sociedade liquefeita
por Francesco Alberoni, Publicado em 06 de Abril de 2010

Há 50 anos nasceu a pedagogia segundo a qual não se deviam impor regras às crianças, apenas dar-lhes indicações.
Foi um descalabro, a sociedade liquefez-se. É preciso reconstruí-la.

Disseram que as normas impostas traumatizavam os meninos. Criaram-se pequenos monstros.

Os sociólogos estão sempre a repetir-nos que o nosso sistema social está cada vez mais desestruturado. Passámos da sociedade industrial para a pós-industrial, depois para a pós-moderna e por fim para a sociedade que Bauman designa por líquida, por não ter regras nem laços fortes. Contudo, para mim, as fases de desestruturação são seguidas de fases de reconstrução, e essa nova fase reconstrutiva já começou. Vejamos o campo do ensino. Há 50 anos, do encontro entre Dewey, a psicanálise e o vulgar marxismo, nasceu uma pedagogia segundo a qual não devem impor-se regras, mas apenas dar indicações. As crianças não devem decorar a tabuada, poemas, nomes das terras, datas da história, não devem estudar gramática nem análise lógica. Também não devem aceitar a autoridade dos pais e dos professores. Esses pedagogos achavam que, se o indivíduo fosse mais livre para criar, o florescimento cultural seria assombroso. Pelo contrário, gerou-se um vazio que foi preenchido pela cultura mediática.
As crianças não sabem poemas mas conhecem canções, não seguem os mandamentos morais, mas sim "o que dizem os colegas", não conhecem os clássicos, mas sabe o que dizem as personagens televisivas. Na verdade, a pedagogia que nivela tudo por baixo no intuito de esbater as diferenças teve como consequência tornar ignorantes milhões de pessoas e privilegiar aqueles que podiam ir para a universidade e para escolas de excelência com professores respeitados e programas rigorosos. É por essa razão que há cada vez mais pessoas a quererem uma escola mais séria, mais rigorosa, com professores preparados e mais respeitados. Mas também começam a perceber que é essencial que existam normas morais básicas interiorizadas, aprendidas até ao fim da infância.
Não se deve esperar que as crianças aprendam sozinhas que não devem roubar ou atormentar os colegas. Temos de as ensinar e fazer com que isso lhes fique gravado na mente, se torne um hábito. Por fim, também estamos a perceber que a nossa ordem social se baseia num mandamento fundamental: "Faz ao outro o que gostarias que ele te fizesse a ti." É um mandamento que não pode ser demonstrado com um cálculo custo-benefício. Ou se aceita ou não. Em 50 anos, passámos do autoritarismo mais cego à anarquia mais completa, da sociedade mais rígida à sociedade mais fragmentada, liquefeita. Mas ignorar ou contornar a liquefacção não basta; é preciso iniciar a reconstrução.

Francesco Alberoni, Sociólogo, escritor e jornalista

http://www.ionline.pt/conteudo/54044-bons-professores-e-regras-morais-contra-sociedade-liquefeita

Livro do Mês de Abril

O Amor infinito de Pedro e Inês
Neste romance de Luis Rosa não é só o tema que nos deleita, pela sua força inspiradora ao narrar uma das mais trágicas paixões que a nossa memória colectiva jamais esqueceu. É também a vibração da escrita de Luis Rosa que nos faz seguir página a página, numa leitura sem quebras, dando-nos o testemunho de um escritor que sabe contar como poucos.
Luis Rosa tem esse dom de transmitir as emoções, dando-lhes uma força e comunicabilidade que dir-se-ia estabelecer uma relação de cumplicidade entre autor e leitor. É como se a história estivesse a ser revivida por quem escreve e quem lê. E tudo isto sem esquecer o rigor histórico posto na investigação das personagens, do ambiente e sobretudo da intriga que culmina na tragédia que se abateu sobre o amor infinito de Pedro e Inês
[1].

[1] http://www.cdgo.com/artigoDetalhe.php?idArtigo=4049222 (adaptado)

Um excerto da obra
“Conselheiros, fidalgos e oficiais de justiça subiram em turbamulta as escadas do paço. Vários homens agarraram Inês, que inutilmente esbracejava.
Alguém deu ordem ao algoz para que a degolasse. Depressa, para que o pensamento não pensasse mais, nem houvesse razões para adiamentos.
Afastaram-lhe os filhos em choro. E quando o algoz avançou, a bela mulher ainda fez um esforço de leoa cercada, para lhe cravar as mãos na veste do ofício medonho. Inútil. Outros lhe prenderam as mãos atrás das costas e a fizeram
vergar sobre o cepo.
O carrasco deu um golpe apenas, eficaz e certo, de quem sabia do ofício. Como ponto final do auto ficcionado de cruenta realidade.
Fez-se silêncio brusco. Aqueles que se não suportaram a si próprios fugiram espavoridos.
Há vidas que duram um momento. E momentos longos como uma vida. E vidas que o são para sempre. Mesmo depois de mortas.”
(excerto da obra)

O Autor: Escritor Luis Rosa
Biografia: Luis Rosa é natural de Alcobaça, e licenciou-se em Filosofia, dispondo de várias formações multifacetadas, particularmente na área da gestão, exercendo elevadas funções numa grande empresa portuguesa. Desenvolveu também uma intensa actividade como docente. É membro da Academia Portuguesa de História. O primeiro romance de Luis Rosa, O Claustro do Silêncio, foi desde logo a sua consagração, ao ser distinguido com o Prémio Vergílio Ferreira. Seguiu-se-lhe O Terramoto de Lisboa e a Invenção do Mundo, que a crítica não deixou passar sem elogiosas referências e o público esgotou. O Amor Infinito de Pedro e Inês, romance de grande densidade sobre um tema esplendoroso da nossa história, tem sido objecto de sucessivas edições.
Em Bocage – a Vida Apaixonada de Um Genial Libertino projecta-se o poeta na totalidade das suas dimensões. Ambas as obras receberam por parte do público e da crítica o mesmo entusiástico acolhimento.

Bibliografia:
ROSA, Luis (2009) O Amor infinito de Pedro e Inês, Editorial Presença, Lisboa.

30/03/2010

Semana da Poesia



A Biblioteca da Escola Secundária de S. Pedro do Sul transformou-se em "Cantinho dos Poetas" onde se ouviram alguns dos nossos mais ilustres poetas pelas vozes de alunos e professores da Escola Secundária.

Manifesto anti- Dantas


15 a 19 de Março de 2010

Semana da Poesia na Biblioteca da Escola Secundária de S. Pedro do Sul.

28/03/2010

Alexandre Herculano


Alexandre Herculano nasceu há 200 anos. Foi poeta, historiador, político, jornalista, agricultor, romancista e tradutor. Herculano foi inovador para a sua época e muito revolucionário. No sítio do Instituto Camões, Ana Maria dos Santos Marques deixa-nos um interessante texto sobre a vida e obra deste grande homem das letras:
Alexandre Herculano 

24/03/2010

21 de Março - Dia da Poesia e da Árvore

A Biblioteca comemorou o Dia da Poesia com a elaboração e distribuição de um marcador de livros alusivo à efeméride. O marcador foi distribuído na escola aos participantes na comemoração do Dia da Árvore.

 

20/03/2010

SEMANA DA POESIA

Durante a semana de 15 a 19 de Março decorreu, na Biblioteca da Escola Secundária de S. Pedro do Sul, A SEMANA DA POESIA, iniciativa promovida pela Equipa da Biblioteca Escolar.
Com os objectivos de promover a leitura e de motivar os alunos para o estudo da poesia, durante toda a semana, nos intervalos das 10:00H, alunos e professores da escola partilharam belos poemas de alguns dos mais célebres poetas portugueses.
A actividade Leitura com Afectos, integrada na Semana da Poesia, destinada aos alunos do 3º ciclo, cujos objectivos foram principalmente, a promoção da leitura e a motivação para o estudo da poesia e, simultaneamente, a cooperação efectiva entre família e a escola, contou com a presença de alguns Encarregados de Educação, cujas leituras, em prosa ou em verso, foram muito bem recebidas pelos alunos. Nas turmas em que não foi possível a presença de nenhum familiar, o Director de Turma e as Professoras da Equipa da BE encarregaram-se de dinamizar a actividade, de modo a que todos os alunos pudessem usufruir, num ambiente descontraído e informal, do prazer da poesia. Durante 45 minutos ouviram e declamaram poemas, tendo também conhecido alguns aspectos da vida de poetas de incontestável valor, Luís de Camões, Fernando Pessoa, António Gedeão, Sophia de Mello Breyner, Miguel Torga, Florbela Espanca, Cesário Verde, Sebastião da Gama, Eugénio de Andrade…
Agradecemos às Encarregadas de Educação que, amavelmente, acederam ao convite dos Directores de Turma, disponibilizando-se para partilhar uma leitura com os colegas dos seus filhos.
A participação dos pais e encarregados de educação em actividades culturais promovidas pela Biblioteca Escolar constitui uma forma de participação activa destes na vida escolar dos seus educandos, promove o diálogo entre a família e a escola e também contribui para o sucesso escolar.